Momentos Poéticos

Momentos Poéticos

domingo, 20 de dezembro de 2009


Neste Natal vamos...

Multiplicar Amor

Que nossas mãos possam ser portadoras de paz..
De afagos...
De carinho...
Que escorra delas os mais límpidos sentimentos..
de bálsamos..
de alívio..
de força..
de luz...
Que possam ser espraiados na terra árida..
fazendo germinar o amor entre as pessoas..
Multiplicando cada melhor essência de nós..
Fazendo-nos fortes ao meio à tempestade..
Deixando-nos ver o sol que nasce..
Que rompe a noite..
Que se faz dia..
Que se faz belo..
Que se faz vida!
Que se chama amor...

Feliz Natal! Neste Natal vamos...




















Tempo, relógio da vida...

Tempo, é o que a vida nos concede;
Seja longo, ou seja breve,
Sempre tem o seu valor.
Cura as dores, deixando boas lembranças...
E aos poucos a esperança volta a florir.

No amor, apressa o tempo;
Pra viver novos momentos,
E esquecer o que passou.

Tempo esse, que a vida não controla.
Pois quando é bom, vai embora...
E se é ruim, se demora.
Por isso é que a dor chora.
Viver a vida, é agora!

Cris Menezes

ENCONTRO LITERÁRIO / EMEF RUI BARBOSA - MARACANAÚ

sábado, 19 de dezembro de 2009


UM MAR DE SAUDADES


Saudade... Que chega e invade,
Inunda-me das lembranças,
Dos meus tempos de criança,
Vividos na companhia de minha mãe querida.
Meu coração, outrora tão risonho,
Hoje, bate tristonho com essa ausência...
E sua falta, que tanto me faz falta,
Será uma eterna presença em minha vida.
O gosto da emoção, já não é o mesmo!
Pois minha mente caminha lhe procurando a esmo...
E o tempo passa... Só não passa pra mim,
Porque o nosso “jardim”, ficou sem graça...
Essa saudade, se demora na partida
E quando vai, deixa feridas, que não tem fim...


Cris Menezes
ENTRE O FOGO E A LUA...

Como todo homem que pensa,
Eu vou dizer meu recado...
Não aceito essa sentença,
E nem como fui julgado...
É por pensar, que sei diferenciar,
Entre o fogo e o luar...
Enquanto um vive a queimar...
O outro nos faz alado.

Pois o fogo, até clareia...
Mas não faz pulsar na veia,
O líquido da emoção.
E a lua, mesmo sem ser minha e sua...
Traz os amantes pra rua,
Pra sua contemplação.

ALQUE
O ALIMENTO DA ALMA

Não deixe a emoção de você fugir...
Pois ao coração ela faz sorrir...
E se na solidão, não existe flor!
É por ser um solo, onde não nasce amor.
Amar é o que importa!
Abrir as portas está em suas mãos1
Plante carinho em vez de revolta!
Porque a volta, depende da ação.
Quem do peito faz uma fortaleza...
Nos olhos traz, o vírus da tristeza.
É incapaz de se dar... Feito um espinho...
E não verá o luar, pois será sempre sozinho.

ALQUE

terça-feira, 13 de outubro de 2009

ONDAS DE AMOR

O mar, falou para lua cheia:
Tu és a mais bela sereia!
Por que não quer me amar?
De ti, vem minha alegria!
E tristeza, naqueles dias...
Se demoras a voltar.

E enquanto tu não vens,
Eu sou um trilho sem trens...
Não abro nem a janela.
Fico ali, de quarentena...
Pois és a minha pequena!
A mocinha da novela.

Será a minha cara feia?
Só porque bato na areia,
Como quem sente rancor...
Mas é esse o meu jeito!
Sei que sou um bom sujeito!
E nas ondas, só trago amor.

Essa metáfora que fiz,
Falando do mar e a lua,
Pode ser minha e sua...
E de quem quiser ser feliz!
Porque, sempre de uma planta,
São as flores, que “encanta”...
E nunca será sua raiz.

ALQUE

domingo, 23 de agosto de 2009

SEU CORPO

Espaço que ocupo
Peça em que me encaixo
Território que desvendo
Horizonte que me acho
Universo que admiro
Relva que me deito
Rio que me banha
E alimento que me basta.

Cris menezes

sexta-feira, 31 de julho de 2009





A ILHA

Tristeza, é o que estou sentindo, ao escrever essa crônica, mas alguém tem que fazê-lo, pois do que vou falar, não é uma coisa recente, já existe há muito tempo e as pessoas que poderiam mudar o rumo dessa história, estão mais interessados em obter lucros e manter posições, pouco se importando e assim iremos, (acho) para o infinito, sem uma solução.
Falo dessa prisão vergonhosa, em que vivem o povo Palestino, cercado por todos os lados, como se vivessem numa ilha, sem ter o direito universal de ir e vir, como todos os demais, e o triste é que a opinião pública universal, nada faz, deixando-os viver como bichos, as esmolas são como fossem as rações, quando seu poderoso vizinho e algoz, lhes concede um gesto de “bondade”, deixando alguém entrar.
É inaceitável, com todo avanço da humanidade no campo tecnológico, ainda existir um muro criado por cabeças retrógradas e doentias,que separa famílias, como se estivessem a milhares de quilômetros.
E pensar que o outro (muro de Berlim) foi tão combatido, até música fizeram, numa campanha mundial, que comoveu toda a humanidade e o fim, todos já sabemos. Só que esse, tinha dois lado mais ou menos em equilíbrio e o que circunda a Palestina, é bem mais cruel, pois não há ninguém lutando por eles, a não ser suas crianças, que morrem, sem saber o que é SONHAR.

ALQUE

quinta-feira, 30 de julho de 2009


Meu Êxtase

Momentos que nos enlaça,
Esplêndidos de amor...
Unindo duas almas.

Excitando-nos as emoções,
Xeque-mate da entrega.
Troca de carícias infinitas...
Amantes num só coração,
Saciando nossos corpos...
Extasiados de tanto prazer.

Cris Menezes

A MESMA CANÇÃO

Saiba que quando um olho brilha
É que a “ilha”, já avistou o seu cais...
Logo se cruzam as trilhas...
E cada peito dedilha...
Mas as canções são iguais.

E todos sonham...
Sonham com um colo...
É ele, seu outro pólo!
Que faz brotar no seu solo...

E há outro brilho na vida!
O que não tinha saída...
Hoje é o que nos faz sorrir.
Pois o amor, maestro( escondido),
Transforma os nossos sentidos,
E nos ensina onde ir.

ALQUE
A REAÇÃO...

Esses homens... Sabem de tudo...
Só porque descobriram o fogo!
Pensam que comandam o jogo...
Mas são cegos, surdos e mudos.

Cortam matas, abrem crateras...
Deixam a esperança sem colo...
E nas cores de um novo solo,
Nunca plantam a primavera.

E quanto mais tirarmos dela,
Grande será, mas em tristeza...
E a água, logo vai virá represa,

E traz descrenças... E doenças...
Essas, sempre vêm sem licença!
Por isso, a cura não se revela.

ALQUE
AS FASES DA VIDA

A lua, sempre clareia!
Cheia, nova ou meia,
Está em todo lugar.
É como o sangue de nossas veias,
Quando incendeia,
É que algo de bom virá.

Busque no peito,
A sua estrela cadente...
Onde o brilho é semente,
Que precisa cultivar.

Se um amor vai, logo, outro vem!
A vida é um trem, que nunca pode parar.
Cabe a você comprar o bilhete certo...
Pra não descer num deserto,
Que não tem onde plantar...

ALQUE

domingo, 26 de julho de 2009


25 DE JULHO- DIA DO ESCRITOR

terça-feira, 21 de julho de 2009

HOMENAGEM AO DIA DO AMIGO

Amizade Sincera

Composição: Renato Teixeira


A amizade sincera é um santo remédio
É um abrigo seguro
É natural da amizade
O abraço, o aperto de mão, o sorriso
Por isso se for preciso
Conte comigo, amigo disponha
Lembre-se sempre que mesmo modesta
Minha casa será sempre sua
Amigo
Os verdadeiros amigos
Do peito, de fé
Os melhores amigos
Não trazem dentro da boca
Palavras fingidas ou falsas histórias
Sabem entender o silêncio
E manter a presença mesmo quando ausentes
Por isso mesmo apesar de tão raros
Não há nada melhor do que um grande amigo

segunda-feira, 20 de julho de 2009




ESCOLHA SEU PAR...

Sei que a vida é um grande salão,

Pra se dançar! Pra se dançar...

Quem sabe mais, chama a atenção,

E logo, irá lhe surgir um par.

Mas, não entre num mar sem saber...

Espere uma noite de luar...

Pra sentir o que ele quer dizer,
E ver, no brilho do seu olhar.

A vida é criança, que dança...

E avança,

Em cada paixão.

O amor é uma sina,

Que ensina...

Pois há sempre uma nova lição.


ALQUE

Ps: foto( minha sobrinha Marina Helena e seu namorado Abdias/ dois adolescentes sensacionais).

SONHAR, UM DIREITO DE TODOS
Busque um sonho, nunca desista!
Monte a pista, que ele um dia vai descer..
Mas sem duende ou alquimista,
Pois eles só vendem a vista!
O avalista, tem que ser você.

A asa com que ele voa,
Nasce em toda pessoa!
Pois somos um passarinho...
Livre e com muitos caminhos,
E cada um faz sua coroa.

Só não procure um cambista...
Ou um analista, pra ensinar como fazer!
São tantos, os especialistas!
Pois pra esse trem, o maquinista
Tem que ser você!

ALQUE


Contemple o que há de mais belo em nosso planeta...
O mar!
Um pôr de sol!


Cris Menezes


segunda-feira, 13 de julho de 2009


O MOINHO DA VIDA

A vida tem um grande moinho,
Que pode ser ou não, multicores...
Cabe a você, escolher os caminhos...
E trocar os espinhos, por flores.

Criando os seus próprios conceitos!
Não aceitando essas cheias folhas,
Que já vêem com esses pratos feitos...
O sempre lhe tira o direito de escolha.

Saiba: As chances são todas suas!
Se o bom for cantar no meio da rua,
Não vá se esconder nos porões.

Pois será sempre o seu presente,
Quem vai plantar todas as sementes...
Pra no futuro, colher as boas ações.

ALQUE

QUEM SOU

QUEM SOU?

Se quiser saber quem sou,
Direi; não tenho definição...
Pois um dia estou litoral,
E a primavera é meu quintal...
E em outro, exalo verão,
Com olhos tristes do sertão...
E meu choro, é como um canto,
Pra secar todos os prantos...
É que trago no peito e nas mãos,
A emoção de um trovador.

Mas se é grande o temporal,
Eu procuro a ribanceira...
E vou beijar minha roseira...
Curandeira de todo mau.

O poeta é assim mesmo!
Um dia caminha a esmo,
E no outro cheira a torresmo...
Pois é feito, de múltiplos canais.
Há sempre um novo programa!
Que brota e logo esparrama...
Pra manter acessa a chama,
Que o leva a um novo cais.

ALQUE




SONETO PARA A MULHER AMADA

SONETO PARA A MULHER AMADA

Quando o sol brilha mesmo sendo madrugada,
E canto de pássaros lhe acordam fora de hora...
É que o amor já habita em sua estrada,
E o seu “navio”, tranquilo, nele ancora.

Assim é um homem, quando encontra sua amada,
Com a primavera, invadindo as estações...
Pois tudo floresce... nos jardins e nas sacadas..
E seu rio de abraços... no cansaço... descansa às emoções.

Ah! Se todos tivessem esse privilégio!
Pois são lições que não se aprende no colégio...
Mas, nos mares de olhares e num toque de mão.

Nele há uma luz, que só ver quem está amando!
E seu novo rítmo, nos poe sempre cantando...
Com a batida da vida, que nos traz o coração.

ALQUE

quinta-feira, 9 de julho de 2009

DEFINIÇÃO


Definição

Você é...
O raio de sol, que aquece meus dias.
O brilho do luar, que me faz sonhar.
O beija-flor do meu jardim, que embeleza qualquer olhar.
O oceano e sua imensidão, que transborda minha inspiração.

Você é...
A brisa leve, que me envolve e protege.
A melodia da canção, que alegra meu coração.
A rima da minha poesia, que vibra com magia.
A chuva do meu sertão, que floresce a plantação.

Você é o amor, que a vida me faz amar!!

Cris Menezes

ABC PRO BEM VIVER

ABC PRO BEM VIVER

Ame a vida!
Busque a felicidade.
Compartilhe seus sentimentos.
Deus, creia, é a força vital.
Experimente novas atitudes.
Faça únicos seus momentos.
Gentileza, use-a sempre.
Honestidade, lhe fará um ser melhor.
Imagine, seja criativo.
Junte amigos, faça festa.
Leia bons livros, melhora a mente.
Medite, eleva a alma.
Namore, apaixone-se!
Observe, para aprender...
Plante, para colher...
Queira, espere para ter ou acontecer.
Respeite, valoriza todo ser.
Sorria, é seu elixir.
Transforme sonhos em realizações.
Una-se ao bem, equilibre seu viver.
Viva com intensidade, use sua vitalidade.
Xodó, pra não se sentir só.
Zele pela vida, ela é sua dádiva!

Cris Menezes

sábado, 20 de junho de 2009

UM BOSQUE ABANDONADO




Um Bosque Abandonado


Sempre ao passar por aquela praça, tão central, rodeada por árvores e alguns feirantes de flores; surgia em mim o desejo de conhecê-la melhor, sentando em seus bancos e admirando sua natureza exuberante.
Mas, tamanha foi minha decepção, pois a praça que tanto me atraia , encontra-se em completo abandono, servindo apenas para morada de gatos, pois é grande o número dos mesmos por lá espalhados e aninhados, e a fedentina causada por eles.
Fiquei triste com a realidade. Como pode estarmos vivendo uma era onde o verde tem que ser preservado, o reflorestamento conscientizado, o meio ambiente cuidado e amado e encontrarmos situações dessa natureza? Culpo nossos governantes por tal descaso, pois cuidar de jardins e praças não traz nenhum lucro.
De sua história sei um pouco, na década de 70, os militares tinham como primeiro serviço do dia, regar as plantas e fazer a limpeza da praça, contou-me um ex-militar.
Hoje de bosque só tem o nome, mas outrora já fora orgulho de seus vizinhos, sendo um lugar agradável para encontro de amigos e um bom bate papo.
Cadê a sensibilidade de sua vizinhança atual, que não faz com que o poder público preserve essas áreas verdes que ainda temos?
Cris Menezes


PS: A PRAÇA QUE ME REFIRO, ESTÁ LOCALIZADA ENTRE AS AVENIDAS DES. MOREIRA, PE. ANTÓNIO TOMAZ, A RUA TORRES CÂMARA E FICA EM FRENTE AO HOSPITAL MILITAR, NO BAIRRO ALDEOTA EM FORTALEZA-CE.

domingo, 14 de junho de 2009

BRILHOS NOS OLHOS


BRILHO NOS OLHOS
Não marque um dia pra amar...
Plante um eterno luar,
Dentro do seu coração.
Porque vida sem amor,
É como um jardim sem flor...
É morar com a solidão.
Faça como a areia e o mar...
Que estão sempre a se esfregar...
Lá na arrebentação.
Ponha brilho no olhar!
E se sorrir e chorar,
Faz parte da emoção.
Ame do acordar, ao seu adormecer...
E até se sonhar...
Mas primeiro ame você!
Se não, ninguém vai te querer.
ALQUE

O REMÉDIO


O REMÉDIO
Amor é como a alegria...
O tanto que se tenha,
Nunca nos sacia...
Queremos sempre, mais e mais!
É ele que nas ventanias...
Usa a sua senha,
E as faz calmarias...
Nos mostrando, o caminho do cais.
ALQUE

O SUPRA-SUMO DA VIDA

Se a sua retina sempre ver alguém,
Mesmo sem ele está presente...
E o peito, bate diferente...
Saiba: Você está contaminado,
Pelo vírus dos apaixonados...
Mas não tema... Só lhe fará bem!

ALQUE

quarta-feira, 3 de junho de 2009

QUERO PRA VIDA

Quero cores e flores,
Sempre ao meu redor.
E que os amigos e livros,
Nunca me deixem só.

Quero o canto dos pássaros,
E som das marés...
E só verdes caminhos,
Onde brotem a fé.

Quero um lar, não abrigo,
E castigo quando eu merecer.
E que em cada lição,
Tenha sonho, mas também a razão,
Pra eu poder crescer.

Quero do amor,
Seus olhinhos assim...
A me olhar sem ter fim.

Quero seu sorriso sereno,
Assim como um aceno,
Sempre a me chamar.
E seus beijos;
Que me trazem desejos,
De te amar... De te amar...

CRIS MENEZES

domingo, 31 de maio de 2009

PLANTA RARA






















PLANTA RARA

Quem a ver tão frágil assim,
Feito uma flor de carmim,
Não sabe do que ela é capaz.
O sorriso cheira a flor,
E no peito há um rio de amor,
E os olhos são duas pedras de cristais.
Mulher... Menina... Mulher...
Por todos lhe terem fé,
Sempre é chamada, nos grandes temporais.
É pena que os valores,
Tenham mudado de cores...
Pois essa planta, não há mais nos quintais.
Não digo que ela é santa!
Mas sua bondade é tanta!
Que toda guerra, ela enfrenta com a paz.



ALQUE

MINHA RUA

MINHA RUA
A rua onde moro, outrora fora animada; nela ao cair a noite, toda criançada brincava de esconde-esconde, boca de forno, bandeirinha e outras. Mas ai, vieram as mudanças da cidade; e aos pouco essa diversão foi deixando saudades. A tranquilidade de antes, agora não mais existe. Nas calçadas não se pode mais sentar, pois o medo da violência que nos cerca é de atormentar, as portas todas fechadas com muros e cercas, como sinal dos novos tempos, onde o coletivo não tem mais espaço.
Hoje essa rua é meu caminho de ida e volta, quase sempre apressada; sem crianças nas calçadas e as brincadeiras já esquecidas. É apenas o lugar por onde passo e digo aos vizinhos, alguns até estranhos, um cumprimento gentil e educado.


CRIS MENEZES

SE A TERRA FOSSE UM POETA

SE A TERRA FOSSE UM POETA

Se a terra um poeta fosse...
Tudo viria mais doce...
Até mesmo a maresia!
O mar, seria no sertão...
Pra não faltar a plantação,
Do homem, no próprio chão...
São os dois; bela poesia.
Os dias, seriam amenos...
Com chuvas, só de sereno,
Pra não haver destruição.
E as noites, sempre com lua cheia!
Pondo brilho na areia...
Onde o sangue pulsa nas veias,
No encontro da paixão.
Seria essa a sua guerra!
Dois corpos que em um se encerra,
Com bombas, só de alegria.
As plantas, seriam suas vacas santas,
Pois são o que nos encanta!
E não haveria tantas... Tantas...
Tantas etnias!


ALQUE

sábado, 23 de maio de 2009

PALAVRAS

PALAVRAS

Palavras expressam a alma e transmitem calma.
Palavras espalham-se ao vento e unem sentimentos.
Palavras iniciam e findam as guerras,
Delas dependemos pra termos paz na terra.
Palavras preenchem o coração,
E dão vida a uma canção;
Pois encantam e emocionam,
Mas há algumas, que machucam e desencantam!


Cris Menezes

sábado, 9 de maio de 2009



O PODER DAS MÃOS


Mãos que acariciam e afagam,
Mãos que agridem e mentes apagam.


Mãos que acolhem peitos vazios,
Mãos que oram e reverenciam.


Mãos que sufocam, pois sãos doentias,
São as mãos que cortam nossas alegrias.
Mãos que escrevem, pintam e tecem,
E que tocam belas melodias.


Que poder temos nas mão:
O de acenar a paz!
E de assinar a guerra!
O de cultivar a terra!
O de colher com o esperar...
O de aplaudir e destruir sem sobressalto.


Mas o grande poder está:
Nas mãos que embalam e ninam uma criança,
Abençoando-a com o coração cheio de esperança!


Cris Menezes

domingo, 26 de abril de 2009

POR VOCÊ



POR VOCÊ


Por você...
Desnudei minha alma,
Enchi meu espírito de calma.
Meus sonhos, viraram realidade!
E hoje minha vida, exala felicidade!


Cris Menezes

DO QUE MAIS GOSTO

DO QUE MAIS GOSTO

São tantas ,as coisas que gosto,
Que uma semana encheria...
Como o nectar da cana,
E o núcleo da melancia.
Mas o que eu gosto mais:
É ser um eterno cais;
Pra ancorar as minhas crias.

Gosto do verde do inverno,
Com cheiro de alegria...
Não ter que vestir um terno,
E ver a barra do dia.
Mas do que eu gosto mais:
É ser um eterno cais;
Pra ancorar as minhas crias.

Dar e receber carinho,
Pra viver em harmonia...
Pois não estou mais sozinho,
Encontrei quem eu queria.
Mas do que eu gosto mais:
É ser um eterno cais;
Pra ancorar as minhas crias.

Gosto da sinceridade,
E do clima das serranias...
Também da minha idade,
De rima e filosofia.
Mas do que eu gosto mais:
É ser um eterno cais;
Pra ancorar as minhas crias.

De ver um imenso coro...
Cantando, em vez de choro;
Era o que eu gostaria.
E as idéias principais,
Sendo mesmo pela paz...
Que maravilha seria!
Mas do que eu gosto mais:
É ser um eterno cais;
Pra ancorar as minhas crias.

ALQUE
“TEMPOS” QUE TRANSFORMAM

Sempre, chegamos cristalinos...
Belos meninos!
O choro, é um eterno hino,
Mas a esperança é mortal.
Pois o tempo, dono dos destinos,
É como um redemoinho,
Que nos joga, feito lança...
Para o bem ou para o mal.

Cabe a nós criar os diques...
Pra não comprar em butiques,
Com seus presentes fechados.
Mas as escolhas, são como as folhas...
Existem sempre dois lados.
E os que fazem direito,
No fim, mudam seus conceitos,
E viram os magistrados...

Esses deuses homens!
Imunizados da fome,
E acima do que mais brilha.
Chora a nossa confiança...
Pois não conhece essa dança...
Que é moda em toda ILHA.

ALQUE

ZONA LIVRE

ZONA LIVRE

Sempre que o sol cruza com o mar,
Surge coisa boa...
O clima é atoa, e a rima é amar.

É onde tudo pode!
Artéria explode...
Com sexo no ar.
Escondem na rua.
E lá ficam nuas,
A nos provocar.

E o vento põe todas no seu laço...
E com um abraço, cheio de libido,
Toca frente e verso...
E às vezes, perverso...
Ronda seus segredos!
Mas ele não mete medo,
Porque nada é proibido.

Há uma explicação!
É que o pecado não curte a maresia...
Por medo da oxidação,
Fica no sertão, junto com as romarias.
Onde nada é permitido...
Só os amores escondidos...
Nos conventos e sacristias.

ALQUE
CD ALQUEIRES DE POESIAS

domingo, 19 de abril de 2009

DELÍRIOS DE UM POETA


DELIRIOS DE UM POETA


Ali... Onde vive o teu olhar...
Nada vai ficar...
Pois tudo é mutante.
E esse tudo é livre como o ar...
Que ao ti beijar...
Já sai radiante.
Sabe que valeu...
A sua ‘terra’ tremeu...
Por alguns instantes.
Ai quem me dera, eu ser uma leve brisa...
Pra tocar tua pele lisa...
E teu peito acalantar...
E ouvir de novo esse som do teu sorriso...
Do qual eu tanto preciso...
Mas tão longe estás...



ALQUE
CD ALQUEIRES DE POESIAS

BOA PLANTA, BONS FRUTOS

BOA PLANTA, BONS FRUTOS

Pra teres a lua cheia,
E areia pra caminhar...
E junto uma sereia,
A ti amar, amar, amar!
Tens que regar a plantação!
Dias sim, sem haver não!

Só não plante em qualquer solo...
Os muitos colos, são pássaros a voar.
Pois o amor é um grande jardim,
Mas está no fim, a flor que colherá.

Por querer tudo que ver,
É que muitos estão a guerrear.
Não vêem a lua nem a areia,
Nem as sereias, a lhes chamar.
Pobre de quem não sente além...
Além do que a vista alcança,
Por isso lança essa lança...
O único fruto que deu no seu pomar.

ALQUE
CD ALQUEIRES DE POESIAS
P/ OUVIR: recanto das letras

quarta-feira, 8 de abril de 2009

UM JEITO ESTRANHO DE AMAR



UM JEITO
ESTRANHO
DE AMAR


Ontem ao pensar em ti...
Senti meu olho brilhar...
Sei, não estavas ali...
Mas era como que está...
Foi uma estranha sensação...
Que não dá pra explicar...
Até senti tua mão...
A me acariciar...
Sei que muitos vão dizer...
Que estou a enlouquecer...
Pode ser...
Mas é de tanto ti amar!


ALQUE
CD ALQUEIRES DE POESIAS

HERÓIS DOS MARES

HERÓIS DOS MARES

E aquele pescador, sempre quando vai pra o mar...
Deixa triste o seu amor, pois não sabe se ele vai voltar...
Fica olhando a imensidão, com apertos no coração...
E pra amenizar a dor, ela joga uma flor para Iemanjá.
E lhe pede proteção, que o ensine a direção...
E só volta à alegria lá no fim do dia, ao vê-lo chegar.


Não pergunta se foi bom, sabe pelo seu olhar...
Que se tem melancolia, é que a pescaria, nem dar pra o jantar.
E sentindo que a razão, está mais forte que a emoção...
Logo lhe faz um agrado e lhe traz um trago, que é o que o faz sonhar...
E cura sua frustração, com alguns toques de mão...
E no meio da fantasia, jura que ‘seu’ dia ainda vai chegar...


ALQUE

CD ALQUEIRES DE POESIAS

quinta-feira, 2 de abril de 2009

AS COMPLEXIDADES DA VIDA

AS COMPLEXIDADES DA VIDA

A vida é mesmo bem complexa...
Por que digo isso? Por muito motivos, se não, vejamos: A insatisfação é algo que faz parte do dia a dia de todos nós, pois independente de classes sociais, os motivos, são sempre os mesmos, queremos sempre mais e mais, nunca estamos satisfeitos, fazendo com que tudo vire um círculo vicioso, que nunca terá fim.
Há outros problemas, (e esses são os piores), os pessoais, como; separações mal resolvidas, que nos consomem pela vida a fora, com a tranqüilidade tão sonhada, não chegando nunca. Mas, pesar de tudo temos que valorizar as coisas boas, pois as flores sempre resistirão, só depende você. E nunca espere um dez, se conseguir um sete, se dê por satisfeito, pois poucos o conseguirão.

ALQUE

MEU MELHOR PRESENTE


MEU MELHOR PRESENTE

A tempos, quase não sorria,
Pois minha alegria,
Tinha pouco a dar...
Podia ser noite ou dia,
Porque nada havia
Para clarear.

Foi quando você chegou,
E tudo mudou em mim.
O que era triste e sem cor,
Virou um pomar sem fim.

Com esse brilho, que traz no olhar...
É impossível, ter ver e não te amar.

ALQUE
CD ALQUEIRES DE POESIAS

SÍNTESE

SÍNTESE

Antes que o tempo me transporte,
Para além de outra esfera...
Tento pintar o meu norte,
Com as cores da primavera.
Não digo que eu seja forte!
Mas sempre enfrento os cortes...
Não sei viver à espera.

ALQUE

ASSIM É A VIDA...



ASSIM É A VIDA...



“O equilíbrio da vida está em aceitar,
que ela é feita de vitórias e derrotas”.



Cris Menezes

sábado, 21 de março de 2009

A IMPORTÂNCIA DE LER


A IMPORTÂNCIA DE LER

"A LEITURA, TRAÇA CAMINHOS
DE CONHECIMENTOS E SONHOS;
DESPERTANDO A MENTE
E LIBERTANDO A ALMA".

CRIS MENEZES

PAIXÕES

PAIXÕES

Emoções são passarinhos...
Já com asas e caminhos...
Cansaram do mesmo ninho,
E saíram pra voar...
Paixões são redemoinhos...
Com rosas e seus espinhos...
Com dias tristes e sozinhos...
E outros brilhos no olhar.


Ninguém sabe quando ela virá...
Transformando calmarias,
Em noites quentes e frias...
Fazendo rir e chorar.


Sentimento,
É um perfume sem cheiro...
E do amor mensageiro...
Canteiros, a florescer.
E o sofrimento,
É a luz de um candeeiro...
Mas que mostra por inteiro,
Um prisioneiro, por querer.


ALQUE

CD ALQUEIRES DE POESIAS
FAIXA 15

ABAIXO DE ZERO

ABAIXO DE ZERO...

Sinto um certo vazio, e um frio...
Sempre a me rondar...
Com muitos ventos sombrios...
Congelando os “rios”...
Mas eu quero ir pra o mar...
Pois as mágoas do meu peito
Precisam de um leito,
Para desaguar.

E a saída? É sonhar!
É Sonhar! É Sonhar!
Se não há cura pras feridas...
Pra vida vamos cantar.

Tento sorrir e não consigo, não há abrigos...
E muitos ainda vão nascer.
No lote do paraíso, há um aviso;
Quem comprar só vai crescer!
Mas só enganam o pobre homem...
Pois o que cresce é a fome e o seu padecer.

E a saída? É sonhar!
É Sonhar! É Sonhar!
Se não há cura pras feridas...
Pra vida vamos cantar..

Sei que há um pequeno coro,
Que canta, mesmo com o choro,
A lhe sufocar.
E não reluz como ouro...
Pois o brilho do tesouro está no olhar.
Pena, que poucos verão.
Porque hoje a paixão é multiplicar.

E a saída? É sonhar!
É Sonhar! É Sonhar!
Se não há cura pras feridas...
Pra vida vamos cantar.

ALQUE

CD ALQUEIRES DE POESIAS
FAIXA 20

quinta-feira, 19 de março de 2009

AMORZADE





AMORZADE



A AMIZADE nos aproximou,
O AMOR nos conquistou!



A AMIZADE nos tornou iguais,
O AMOR nos uniu mais e mais!



A AMIZADE lançou nossos pensamentos,
O AMOR tatuou nossos sentimentos!



A AMIZADE selou nossa sinceridade,
O AMOR solidificou nossa fidelidade!



A AMIZADE e o AMOR, nos completou,
Nesse encontro de amigos e amantes...
Envolvendo nossas vidas, nesse lapidado DIAMANTE.



Cris Menezes

FRONTEIRAS ETÍLICAS

FRONTEIRAS
ETÍLICAS...


Quem pensar que a vida
É uma brincadeira...
Descerá a ladeira,
E sem despedida...
Pois a ribanceira
É triste e comprida...
E há uma cegueira
Que fecha a saída.


Há gente sorrindo,
Enquanto outros choram...
Suas mentes devoram,
Fecham seus caminhos...
Em vazios ninhos,
Pelos entes oram...
E eles comemoram,
Mas com caros vinhos.


Não passam de quatro,
Os dias de lida...
Terça, quarta,
Quinta e na sexta feira...
Sábado e domingo
E até na segunda...
O homem se afunda...
Criando fronteiras...


ALQUE

CD ALQUEIRES DE POESIAS



O BEM INIGUALÁVEL

O Bem Inigualável

Bem!
Bem querer!
Bem-te-vi!
Bem-me-quer!


Um bem na vida,
Só tem quem sabe admirar,
O brilho de um olhar.
Que é a voz do sentimento, de todo momento...
Que embala e contagia,
O viver de melodia, feito poesia!
E nos faz; amar ! Amar!


E quem tem um bem assim,
Sorrisos, não terão fim!
Como eu, que encontrei o meu Romeu...
E nas frias manhãs,
Ele é minha roupa de lã...
O meu toque de clarim...


Cris Menezes

TUDO OU NADA

TUDO OU NADA

Nada é tão absurdo,
Do que o tudo ser o escudo do nada
É nada ou tudo!
E nadam até chegar à tona...
E se o tudo for o nada,
Logo a verdade o detona.


Por muito tempo, não se esconde...
Ódio e amor, é nada e tudo...
Pois fala e é mudo...
E, ir para onde?


Se encontram em rios e lagos...
No sim ou não de um afago
Mares e lares...
Onde a onda se espraia.
E o nada agora é o poema?
Que com o poeta rema,
Para não morrer na praia!
E os poetas são as conchas sem nada?
Mas quando a pérola se fizer ver...
Cuidado! É o poeta que está a renascer,
Mesmo com aplausos ou vaias.


Tereza Studart/ Alque
CD ALQUEIRES DE POESIAS

quinta-feira, 12 de março de 2009

OLHOS DE ESPERANÇA






OLHOS DE ESPERANÇA



Pra quem não ver a beleza do mar,

A noite, se esconde do luar,

E pra o sorriso sempre diz; não!

Saiba; eu também já fui assim!

Fugia das ruas onde tinha jardins.

Pedra, era o meu coração.



Chorar... Verbo que não dá flores!

Só muitos dissabores...

E dores... E dores...



Hoje, o que quero é amar!

Replantei o brilho do meu olhar,

E da esperança fiz a minha missão.

É ela, quem me faz caminhar,

Me faz crer e me faz sonhar...

E cantar essa nova canção.



ALQUE



CD ALQUEIRES DE POESIAS

FAIXA 01

domingo, 8 de março de 2009






A MULHER
Eu descobri porque,
Encontro em você,
Tantas alegrias.
É que seu amor,
Não deixa o sol se pôr,
E é sempre dia.

Um homem sozinho,
Perde seu caminho,
Não sabe aonde ir
Mas, se chega a mulher,
Logo está de pé,
E volta a sorrir.

Pobre homem...
Sexo forte, é a mulher!
São todas guerreiras!
Vivem nas trincheiras,
São como as marés.

ALQUE

POSTADO POR CRIS MENEZES

A FORTALEZA


A mulher, é um oceano de fé.
Sempre estar, pra o que der e vier.
Tem no olhar a poesia
E no caminhar a orgia.
É tudo que o homem quer.
Onde passa ela domina,
Como fosse cocaína.
É forte como as marés.
Até hoje nem um forte,
Fosse do sul ou do norte
Resistiu a uma mulher.



Mas a mulher não é só isso,
Não é só com seu feitiço
Que se sobressai.
Muitas, trabalham dobrado.
Carregam um fardo pesado,
De ser mãe e pai
E mesmo na dificuldade,
Encontram a felicidade
E a auto estima não cai.



Por isso minha homenagem,
A essa, que é uma mensagem
De amor e de bravura.
Dona da régua e compasso,
Ela fez o seu espaço,
Mas não perdeu a doçura.



ALQUE


A LEVEZA QUE CAMINHA...

Você, se uma ave fosse, seria a mais bela!
Mesmo se a fome trocou seu papel...
E não importa o nome!
Pode ser Raquel, Isabel ou Estela!
E nunca se nega... Não prega o “fiz”...
E o que pensa, não diz...
Mas, nos traz: Leveza, clareza, sutileza...
Doçura, e a cura pras nossas tristezas.
É de onde vem a certeza que vale a pena sonhar...
E ainda bem que você, mulher,
É o beija-flor de todos os amantes...
E não aquela pobre avoante...
Que voa faceira, e desce rasante...
Em águas traiçoeiras, pra não mais voltar...

ALQUE
Homenagem ao Dia Internacional da Mulher

sábado, 7 de fevereiro de 2009

OLHOS DA PAZ



OLHOS DA PAZ

Ao ver a manhã criança,
Sorrindo uma brisa mansa...
Pensei; como bom seria!
Se as mudanças no clima,
Fossem laranja pra lima...
Adoçando as ventanias.

E brotasse o lado sano,
Em todos os seres humanos...
Com guerras, só de amar!
Se o dia nasce calmo e belo,
Pra que usar um martelo?
Pregue com o seu olhar!
Pois vem de sua ternura,
A boa temperatura e a cura;
Pra nunca chorar.

Não há mesmo outro caminho!
A dor, é como um mau vizinho,
Que nunca abre seu cais.
Esqueça o calendário,
Que só ensina o contrário...
Bons, são os olhos da paz.

ALQUE

Minha visita a um sebo



Minha visita a um sebo

Estava a passear pelo o centro da cidade e me deparei de frente a um sebo, que com uma força estranha me atraiu a entrar sem saber explicar.
Dentro daquele lugar me vi cercada por livros (que tanto gosto),e um em especial, chamou-me a atenção; estava em mau uso, pois a capa encontrava-se amarrotada e quase caída. Peguei-o e o folheei
, percebi que continha páginas amassadas, rasuradas e até em branco.
Resolvi levá-lo comigo ao sentir que ele mostrava-me um valor especial. Com carinho cuidei dele: encapei-o, desamassei suas folhas e as conservei, pois com ele trazia sua história.
Tornei-me sua escritora, as páginas contidas em branco estavam lá pra fazer parte da minha vida e da dele também.
Este sofrido livro que encontrei no sebo, passou a ter um grande significado pra mim, pois é ele o meu poeta, amor e amigo.
Cris Menezes

O EXPRESSAR DOS OLHOS



O EXPRESSAR DOS OLHOS

Vinícius versou os olhos,
Tom Jobim os cantou.
E eu, os olhos que alegro,
São os olhos do meu amor.
Olhos que me olham profundo,
E não há nada nesse mundo,
Que tenha o seu valor!

Cris Menezes

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009


ELEMENTOS ESSENCIAIS A VIDA



FÉ É A LUZ DO CAMINHO,

FAMÍLIA É A COMPANHIA PRA CAMINHADA;

AMIGOS SÃO FLORES QUE ENFEITAM O PERCURSO,

AMOR É O BRILHO DA JORNADA.

E A VIDA, A LONGA ESTRADA!

CRIS MENEZES

domingo, 25 de janeiro de 2009

NADA É TÃO ESPECIAL!

Hoje o que me afaga e me faz sorrir.
É esse teu jeito, que deixa meu peito
Batendo por ti.
É algo que embriaga, mas eu acho bom.
Pois cura minhas magoas e doçura propaga,
Como fosse som...

Sei que minha não és, pois como as marés,
Nunca quer ficar...
Será que é por medo da areia?
Ou do brilho da lua cheia?
Que possam, fazê-la me amar...
Que possam, fazê-la me amar...

ALQUE

sábado, 24 de janeiro de 2009

PROGRESSO... E DESORDEM

Por não gostar dessa água...
A magoa chega a mim primeiro...
Só publicar matéria paga...
É a saga dos jornalisteiros.
E amarga! Amarga! Amarga o meu ano inteiro.

Todos correm atrás da bola...
Escola, não leva ao estrangeiro!
E em vez de livros, esmolas!
A cola... é todo fevereiro!
E amarga! Amarga! Amarga o meu ano inteiro.

E esse rio onde desagua...
Apaga o que era verdadeiro.
Pois come com fome de draga...
E afaga com mãos de dinheiro.
E amarga! Amarga! Amarga o meu ano inteiro.

Nunca terão o meu sim...
Pois quero é o fim do que canto agora!
Pra não sentir nenhum trauma,
Quero é bater palma pra fauna e a flora.
Pois amarga! Amarga! Amarga, mas não me devora!

ALQUE
PS: POEMAS EM CANÇÕES/ VOL. I
IMPOSSIVEL...

Impossível é não te querer...
Pois ao te ter,
Eu sinto um grande clarão.
Que logo me incendeia...
O brilho é lua cheia,
Mas o fogo é de um vulcão!

Tens um lago de emoção,
Em tuas pequenas mãos!
É como um amanhecer...
A crescer em turbilhão
Que ao invadir o meu ser,
Algo em mim faz renascer...
Tão bela é a sensação.
E se um dia eu tiver que ir,
só o corpo irá partir...
Pois ficará o coração.

ALQUE
PS: POEMAS EM CANÇÕES/ VOL. I

terça-feira, 20 de janeiro de 2009










A MÃE PEDE COLO


E essa mãe que só murmura,

Já foi pura e a cura,

De toda as nossas tristezas.

E hoje, não mais revela...

Rasgaram a tela de sua flora,

Por isso chora, com a incerteza.


Estranha espécie de filho,

Que joga a mãe na fogueira...

Pois se aumentar seu brilho,

Queima a planta derradeira.


E a mãe, nos pede colo...

Sentindo o cinza no solo,

Antes tão verde! E se desespera,

Vendo o fracasso...

E pede um abraço, pra primavera.


ALQUE

domingo, 18 de janeiro de 2009


AMAR

Amar...
É sentir sempre o mar
Molhando os seus pés...
É curtir o luar
Se amando num convés...
Mesmo estando a léguas do oceano.

Amar...
É ir dormir e acordar
Pensando em alguém...
É sorrir como o olhar,
Ao falar com o seu bem...
É se dar e esquecer antigos planos...

Amar...
Faz vermos tudo em cores,
Mesmo não sendo dia...
E cura nossas dores
Com sua fantasia.
Faz querermos o bem querer a cada segundo....

Amar...
Faz brincar de viver,
Sem pensar, só sonhar!
Faz correr sem olhar,
E às vezes tropeçar...
Mas não deixem de amar!
Pois é o que há de melhor nesse mundo!

ALQUE

PS: POEMAS EM CANÇÕES/ CD VOL. I
PARA OUVÍ-LA: SITE RECANTO DAS LETRAS

sábado, 17 de janeiro de 2009

A PROVA

Numa prova sobre o amor...
Tudo é a favor, não há nada de ruim.
Pois mesmo com alguma dor...
Só marco o sim, sim, sim.

Sem ele, eu sou um navio,
Que do cais não partiu...
E aqueles tristes campos,
Que vivem em prantos,
Pois mais nada lhe floriu.

E se você não tirou um A,
Logo terá que buscar um professor...
Pois até as pobres meninas,
Que vivem pelas esquinas...
Sabem o que é o amor.
E VOCÊ NÃO!

ALQUE

PS: POEMAS EM CANÇÕES/ CD VOL I
Para ouví-la: site recanto das letras (áudio)
A FORÇA INTERIOR

Já nasci com sorte,
Por ser aqui do lado norte...
Já vim com os cortes,
Pra fugir ventos.
Pois não é o porte ,
Que nos deixa forte,
E sim, o pensamento.

Ele é o bom mote,
A água do pote,
A fé dos peregrinos.
O melhor dos dotes,
Pois vem de um lote,
De eternos meninos.

Há grandes, pequenos,
Onde só se guarda o feno...
E pequenos grandes,
Como o eterno GANDHI,
Pena que são poucos...
Pois são grandes os mantos,
Mas pequenos os ‘santos’...
“Santo” do pau oco.

ALQUE

PS: POEMAS EM CANÇÕES/ CD VOL I
Para ouví-la: site recanto das letras (áudio)
AMAR

Amar...
É sentir sempre o mar
Molhando os seus pés...
É curtir o luar
Se amando num convés...
Mesmo estando a léguas do oceano.

Amar...
É ir dormir e acordar
Pensando em alguém...
É sorrir como o olhar,
Ao falar com o seu bem...
É se dar e esquecer antigos planos...

Amar...
Faz vermos tudo em cores,
Mesmo não sendo dia...
E cura nossas dores
Com sua fantasia.
Faz querermos o bem querer a cada segundo....

Amar...
Faz brincar de viver,
Sem pensar, só sonhar!
Faz correr sem olhar,
E às vezes tropeçar...
Mas não deixem de amar!
Pois é o que há de melhor nesse mundo!

ALQUE

PS: POEMAS EM CANÇÕES/ CD VOL I
Para ouví-la: site recanto das letras (áudio)
A ROTA DAS ROSAS ESPECIAIS

Eu já cansado, desses tempos da mesmice,
Onde tudo é só planície...
Assim como o frenesi da beira-mar,
Com os assaltos no asfalto e no planalto,
Resolvi fugir pra um alto...
Aonde espero que ninguém vá me encontrar.

Não há aviso me dizendo onde piso,
E nem preciso ter que comprar um sorriso.

Fica ao Norte, donde a sorte não se veste...
Mas há o belo campestre com o cheiro simples das mães
Lá a guarida é o dia a dia na vida...
E quando há pouca comida, eles multiplicam os pães.

Não há aviso me dizendo onde piso,
E nem preciso ter que comprar um sorriso.

Foi nesse monte que encontrei rosas tão belas,
Uma donzela com um brilho sem dimensões.
E mais acima, há a que transforma o clima...
Pois com ela tudo rima
Por ter muitos corações.

Sinto que o templo já me deu sua varanda,
Mesmo com um tempo dessa ciranda do ter.
Serei em troca um jardineiro diferente...
E regarei suas vertentes, pra que sejam um eterno florescer.

Não há aviso me dizendo onde piso,
E nem preciso ter que comprar um sorriso.

ALQUE

PS: POEMAS EM CANÇÕES/ CD VOL I
Para ouví-la: site recanto das letras (áudio)

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

A IMPORTÂNCIA DE CADA UM...

Hoje, pra não fugir da rotina,
Falarei também com rimas,
Mesmo tendo o assunto,
Um clima um tanto formal.

É sobre a importância que temos um para o outro...
Há quem diga que dá muito,
Mas em troca, só vem pouco...
Mas isso, não é moeda de troco!
E antes que fique rouco,
Vá seguindo o meu sinal!

Felizmente, o amor não é matemático,
Se fosse, seria um negocio,
E não seriamos amantes, e sim sócios...
Pois sem o ócio, e a vida era só somar.
Quem tem pra dá, dar um mar...
E que não o tem, dar um rio...
Pobre, do peito vazio...
Pois esse só tem o frio, e nada poderá dar.

Não se mede sentimentos,
Curte-se cada momento,
Cue é único, como o brilho de um olhar.
E se ele é curto ou duradouro,
Só a fonte onde se esconde o tesouro,
[que é o tempo], nos dirá...

ALQUE
O VER...


O ver, não é só olhar...
É sentir... Refletir... É sonhar.
É saber que o que se vê,
Nem sempre é o que parece ser...
Muitas vezes, só está...
Como verbo é imperfeito,
E quase não tem sujeito, só conceitos,
Pra pensar...
Pois não adianta ir ao mar ver o porto ,
E ficar contando as velas!
Tem que sentir-se uma delas...
A navegar... A navegar... A navegar...


ALQUE

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

SONHAR

Sonhar, é como contar estrelas...
Não sabemos se estão lá,
E nem se estamos a vê-las.
É como o brilho do olhar,
Que diz: Para que ficar,
Se eu não posso mais tê-la?

Sonhar, é voar como o vento...
Sem a moça pra ajudar,
Pois não existe assento.
Mas há pássaros a cantar...
E o mar, nosso maior monumento.

Não há primeiros socorros,
Nesse morro, ninguém vai.
Pois logo soltam os cachorros,
Até para mãe e pai.
Mais é assim mesmo um sonho!
Com sorrisos e tristonho,
Mesmo com asas, às vezes cai.

Mas um sonho, é o ar que se respira...
Clorofila que nos faz viver.
Se não o temos, somos barco sem leme
E sem remos, à deriva...
Que nada deriva e vai desaparecer.

ALQUE

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009





QUANTO VALE UM SORRISO?


Pra quem sorrir, custa pouco.

É só liberar os olhos, a boca

E soltar sua porção de louco.

E verá o bem que fará a alguém,

Pois o sorriso é aurora que nunca evapora...

Ele é feito água de coco.
Ah se esse povo sisudo, mesmo mudo...

Fosse um pouco sorridente!

Pra germinar a semente, que mudaria isso tudo.

ALQUE
A FLOR VIDA

E que flor é esta, que sempre faz festa, até no frio outono?
É, devia não ter sono, pra não dormir jamais...
Pois são como estrelas, suas pétalas principais...
Duas belas janelas... Embriago-me nelas...
Queria tê-la o tempo inteiro... E seu cheiro, sentir mais e mais.
Quem é esta flor, esta flor menina,

Que mesmo que a dor lhe cause ruínas, ainda me ensina a ter esperança...
E isso me alcança, e me enche de paz!
Não deve haver nomes pra tão raras flores...
E nem cores definidas...
Assim, as escolherei: Sua cor será a que tem o mar em plena lua cheia,

Onde até a mulher feia se sente à preferida...
E o nome... O nome, depois de muito pensar, acho que o encontrei:
Você vai se chamar; FLOR VIDA!

ALQUE
A VIDA É HOJE

Nessas noites mal dormidas, as feridas adormecidas
Sempre voltam e ficam procurando briga..
Remoendo intrigas.
E o que fazer? Tentar não viver do ontem e nem querer o amanhã,
Pois entre essas duas irmãs, existe o filho do meio
O hoje! Onde não há sorteios e nem a espera do correio,
Depende de sua ação, pra ser vilão ou galã.
Não sigam em linha reta, se sua meta é à esquerda
E verá que na somatória de ganhos, há mais vitórias que perdas
Usem as gavetas da mente pra guardar presentes bons,
Os ruins deixem ao relento, na companhia dos ventos...
Pois em cada momento há um novo invento...
Procure ouvir o seu som!
Valorizem o abrigo que vem de um amigo, [que já se conta nos dedos].
E amem, amem sem medo! Sejam como aquela água que nunca teme o rochedo.
Não fiquem sujeito a esses pratos feitos, onde os preconceitos comandam o enredo.
Entendam que: Nada mais somos que pequenos grãos, nessa imensidão que é o universo.
A emoção, não tem cor e nem religião, e um aperto de mão, vale bem mais que um tesouro submerso.

ALQUE

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009


CAMPOS HARMÔNICOS

A tempos, minha parede tinha um quadro de voltar.
Mas lhe faltava insumo... Por isso era incerto o rumo...
Minha sede hoje é uma rede pra contigo namorar.
Sentindo o cheiro do mar.
Ali naquela casinha! Bela, por não ter vizinhas.
E a noite ou de manhãzinha, nosso brilho é de um luar.

Lá, o sol chega mais cedo!
Para tristeza do medo...
E festa da passarada.
Que cumprindo seu enredo,
Abandona os arvoredos e segue sua jornada.

É onde o vento é maestro e as palmeiras o coral.
E as dunas, feito um amante, beijam o solo a todo instante,
Num eterno ritual.

E eu, comigo converso e confesso:
Tenho mais do que preciso.
E o peito bate mais forte,
Festejando a minha sorte.
E findo, com um grande sorriso. Rsrsrsrsrsr.
ALQUE